Skip to main content

Neurotransmissores

Neurotransmissores e receptores

 
Você sabia que há bilhões de neurônios —e trilhões de sinapses— no seu cérebro incrível?
 A maior parte de suas sinapses são sinapses químicas, isso significa que a informação é carregada por mensageiros químicos de um neurônio para o outro.
No artigo sobre sinapses, nós discutimos como a transmissão sináptica funciona. Aqui, nós focaremos nos neurotransmissores, o mensageiro químico liberado pelos neurônios nas sinapses para que eles possam "conversar" com as células vizinhas. Nós também veremos as proteínas receptoras que permitem que a célula "escute" a mensagem.

Neurotransmissores convencionais e não convencionais

Existem muitos tipos diferentes de neurotransmissores, e ainda estão sendo descobertos novos! Ao longo dos anos, a ideia do que um neurotransmissor faz exatamente tem mudado e se ampliado. Como a definição se expandiu, alguns neurotransmissores recentemente descobertos podem ser considerados como "não tradicionais" ou "não convencionais" (em relação a definições anteriores).
Nós discutiremos esses neurotransmissores não convencionais no fim do artigo. Por ora, começaremos a discutir os convencionais.

Neurotransmissores convencionais

Os mensageiros químicos que atuam como neurotransmissores convencionais compartilham certas características básicas. Eles são armazenados em vesículas sinápticas, são liberados quando entram no terminal axonal em resposta à um potencial de ação, e atuam ligando-se a receptores de membrana da célula pós-sináptica.
O que é sinapse, quais os tipos e como ocorrem - Significados
Diagrama de uma sinapse, mostrando os neurotransmissores armazenados nas vesículas sinápticas no interior do axônio terminal. Em resposta a um potencial de ação, as vesículas se fundem com a membrana pré-sináptica em liberam o neurotransmissor na fenda sináptica.